Trocando em Miúdos as Minhas Canções
Trocando em Miúdos as Minhas Canções

Trocando em Miúdos as Minhas Canções

Francis Hime

Editora Terceiro Nome

R$ 99,90
Pontos Fidelidade
ou retire na loja
  • Descrição/Sinopse
  • Comente
  • Ler comentários
  • Ficha Técnica

Descrição/Sinopse

Em Trocando em miúdos as minhas canções, Francis Hime descreve e comenta o seu processo de criação, examinando, numa linguagem leve e acessível, várias circunstâncias e influências presentes na elaboração de suas obras. Com este objetivo, percorre os meandros da memória, valendo-se de lembranças, especulando sobre fatos vividos e trazendo curiosidades sobre a relação com seus parceiros e companheiros de estrada.  

O ano era 1959. O Brasil vivia um período de modernização com o plano econômico de JK, a arquitetura modernista transformava as grandes cidades, o país havia ganhado a Copa do Mundo pela primeira vez. Na música, novos acordes, poesia e interpretação se casavam com aquele Brasil cheio de novidades, fazendo um garoto carioca, que iria estudar engenharia na Suíça, decidir regressar ao Rio de Janeiro para tornar-se um engenheiro brasileiro.
Francis, no entanto, mergulhou naquilo que realmente teria importância na sua vida, a música, na qual tornou-se uma ponte entre o popular e o erudito, autor de algumas das composições mais consagradas da MPB e parte de algumas das parcerias mais fecundas da nossa música, como são suas composições com Vinicius de Moraes, Chico Buarque, Paulo César Pinheiro, Ruy Guerra, Geraldo Carneiro e Olivia Hime, apenas para citar alguns de seus quase sessenta parceiros.
Essa história é narrada pelo próprio autor em seu livro, Trocando em miúdos as minhas canções (Terceiro Nome, 316 p.).
Dividido em dez capítulos dedicados aos vários campos de atuação profissional musicais e à sua formação pessoal, a obra é uma história de amor à música e aos parceiros com os quais compôs melodias como "Sem mais adeus", "Vai passar", "Atrás da porta", "Trocando em miúdos", "Minha" e "Passaredo". "Sempre gostei de compor com vários parceiros", afirma Francis. "Por mais que uma determinada parceria se complete de maneira bem-sucedida, é muito bom o desafio de ter um novo colaborador e o gostinho de não saber no que vai resultar."
Francis também examina várias trilhas que escreveu para cinema, como Dona Flor e seus dois maridos, A estrela sobe e Lição de amor, ou ainda para teatro, como O Rei de Ramos. A produção para música de concerto não é deixada de lado, com destaque para a Sinfonia do Rio de Janeiro e o Concerto para violão e orquestra.
Na obra, acompanhamos desde as primeiras dedilhadas de Hime no piano de casa a suas escapadas noturnas enquanto a mãe dormia, para ouvir música nos bares do Rio; suas primeiras apresentações; os "causos" privados e públicos das canções; as artimanhas para enganar a censura; as festas musicais que podiam durar mais de um dia - como na casa do poeta Vinicius de Moraes - e gerar algumas das canções.
A análise e citação de suas composições, bem como de compositores que o influenciaram, vem acompanhada de uma gravação que pode ser ouvida por meio dos 352 QR-Codes distribuídos ao longo do livro, nos quais Francis analisa o caminho que possivelmente seguiu ao compor determinada canção. "Muitas vezes" diz ele, "esses caminhos são meras suposições, embora me pareçam bastante reais. Outras tantas, podem ter realmente acontecido... "
"A ideia, que foi trazida por Olivia Hime, é que os QR-Codes proporcionem ao leitor uma experiência mais profunda, unindo a leitura e a apreciação musical?, afirma Mary Lou Paris, editora da obra. De certa forma, a exemplificação sonora complementa o que é escrito no livro, tornando mais claros os comentários. "Por funcionarem como citações, os QR-Codes são identificados numericamente e é preciso ler o texto para saber do que tratam", completa.
Cerca de 150 canções foram gravadas em estúdio no formato piano e voz pelo próprio Francis, especialmente para este livro, e outra grande parte são fonogramas que já existiam, com vários cantores amigos e colegas de Francis que fizeram questão de participar desta celebração.
Influenciado tanto pela música clássica quanto pelos ritmos populares brasileiros - samba, valsa, marcha-rancho e os gêneros que surgiram da antropofagia de estilos -, Hime dá nova vida a canções que podem ter ficado perdidas no tempo e sintetiza, a partir de sua trajetória, um dos períodos mais ricos de nossa música brasileira.

Da editora

Ficha Técnica

  • Editora Terceiro Nome
  • Código de Barras: 9788578162023
  • Código: 1710736
  • Lançamento: 05/10/2017
  • Origem: Nacional
  • Quantidade: 1 volume
  • Acabamento: Brochura
  • Edição: 1ª
  • Páginas: 316

NÃO ENCONTROU O QUE PROCURAVA? TEM DÚVIDAS SOBRE ESTE PRODUTO?

FALE CONOSCO.